Área de Conhecimento

Nesta secção há o compartilhamento de artigos, textos, opiniões e ideias sobre assuntos que envolvem a nossa sociedade como um todo de forma a permitir o desenvolvimento de uma opinião crítica principalmente sobre situações que envolvem o nosso dia a dia, não apenas como pessoas, em nossas relações mais próximas, bem como aquelas interações profissionais.

Fortaleza errou no episódio La Casa de Papel

Desenvolver atividades em prol da geração de riqueza, tendo em vista atender as necessidades atuais e futuras do mercado, este é um dos conceitos que fundamentam o marketing. Há muitos outros similares. Cabe uma importante ressalva: o uso do termo riqueza permite ampla e especial abrangência. Nem sempre expectativas financeiras imediatas devem guiar as decisões da área de marketing. Ainda assim, elas precisam estar sempre em pauta. Isto é, uma ação estratégica pode ser planejada de forma a gerar potencial resultado futuro. Cabe grifar, planejada. Ao seguirmos o mantra de que ‘não há almoço grátis’, muitos cuidados devem ser considerados e o mero esquecimento ou amadorismo costuma ser presenteado pelo que há de pior, sobretudo em um mercado tão competitivo: a perda da oportunidade.

Clube fundado em 18 de outubro de 1918 por Alcides Santos, meu tio-bisavô, o Fortaleza Esporte Clube ganhou como cores as mesmas da bandeira francesa, uma homenagem de seu fundador que lá estudara. Um clube aristocrático, cuja torcida, sobretudo durante as primeiras décadas de vida, era formada em sua maioria por membros das mais elevadas castas da sociedade alencarina. As conquistas dentro das quatro linhas não demoraram e sua colorida torcida logo veio a crescer. O grande salto no número de seus seguidores aconteceu a partir dos anos 1940, quando o Maguary, outro tradicional clube da capital cearense, abandonou os campos. O motivo foi óbvio: muitos de seus torcedores se recusaram a passar a torcer pelo seu então grande rival do estado, o Ceará, e por conta disso, abraçar as cores do Tricolor de Aço passou a ser uma escolha inevitável. O tempo veio comprovar a felicidade da opção feita.

As décadas passaram e com elas muitas conquistas ajudaram ainda mais a fortalecer a marca do Leão, seu mascote, fazendo de sua torcida seu maior patrimônio. E que torcida é essa? Uma das maiores da região nordeste, dona de uma fidelidade ímpar comprovada sobretudo nos momentos mais difíceis. Em que pese as conquistas de dois vice-campeonatos da Taça Brasil, nos anos de 1960 e 1968, motivos de orgulho eterno, os sete anos de permanência na famigerada Série C do Campeonato Brasileiro, entre os anos de 2010 e 2017, só serviram para elevar o valor de sua torcida a patamares imensuráveis. Que orgulho é ser Leão, ainda mais Tricolor de Aço. Não por acaso que o corrente ano de 2018, o do seu centenário, seja ainda mais um momento de êxtase ao time que conquistou de forma magnífica a Série B do Brasileirão, título inédito em seu estado. Exalta-se também o formidável trabalho de sua diretoria que, mesmo em momentos delicados da competição, bancou a manutenção do técnico Rogério Ceni, ainda que com um começo de trabalho apenas discreto com o vice-campeonato estadual. Já a campanha no campeonato nacional foi perfeita, mantendo-se líder ao longo de toda a competição. Todos estão de parabéns.

No último dia 15 de novembro, o Fortaleza se reencontrou com sua torcida pela primeira vez depois do título conquistado na partida diante do já rebaixado Juventude, de Caxias do Sul. O ônibus que levou os atletas à Arena Castelão praticamente foi carregado nos colos de seus torcedores. Um espetáculo lindo e emocionante que levou às lágrimas muitos de seus apaixonados, ansiosos por verem seus ídolos. Enfim o ônibus parou e sua porta foi aberta: eis que os atletas, um a um, saíram do ônibus fantasiados como personagens de uma série do Netflix, La Casa de Papel. Os momentos de euforia eram tão intensos que impossível não imaginar que a competente diretoria tricolor tivesse trabalhado de forma estratégica e feito uma parceria com a gigante norte americana. Enfim, uma espetacular ação de marketing. Afinal, um clube com uma marca tão forte e com milhões de seguidores apaixonados, dono de uma riquíssima história, vivendo o momento único de seu centenário, de retorno à principal divisão do Campeonato Brasileiro após 12 anos e de conquista de um título nacional inédito para si e seu estado, as práticas mais básicas de marketing afirmariam isso. Correto? Não, infelizmente tratou-se apenas de uma brincadeira de seus atletas. Uma pena…

Não demorou para que o nome do autor da ação fosse divulgado. Coube ao volante Nenê Bonilha, titular da equipe e fã da citada série, ser apontado como o agente motivador da ação gratuita em prol da Netflix. Segundo o que foi apurado, um troco à brincadeira feita pelo rival Ceará ao final do Estadual desse ano (La Casa Sem Troféu), quando o Tricolor foi derrotado. A Netflix, educada, ao menos, agradeceu pelo afago recebido através de seu twitter oficial e certamente levantou as mãos aos céus pela propaganda gratuita. Ao gigante Fortaleza, um lamento pela oportunidade perdida, que certamente não diminui em nada todo o brilhantismo de sua campanha. A gratuidade do uso de sua marca em prol do crescimento comercial de outrem é um equívoco não condizente ao clube e sua belíssima história. O clube, no entanto, é maior do que tudo isso e certamente aprenderá com o fato.